,

Navegando Pelos Limites: Conheça A Incrível Volta ao Mundo de Jessica Watson

Em um mundo onde os limites são constantemente desafiados, há histórias que se destacam como testemunhos inspiradores de coragem, determinação e perseverança. Uma dessas histórias é a da jovem australiana Jessica Watson, cuja jornada audaciosa ao redor do globo capturou a imaginação de pessoas em todo o mundo.

Primeiros anos Jessica Watson nasceu na Gold Coast, Queensland. A segunda de quatro filhos do casal nascido na Nova Zelândia, Roger e Julie Watson, que se mudaram para a Austrália em 1987, ela possui cidadania australiana e neozelandesa. Ela tem uma irmã mais velha (Emily) e um irmão e irmã mais novos (Tom e Hannah). Todos os quatro fizeram aulas de vela quando crianças, e a família passou a viver a bordo de um iate com cabine de 16 metros por cinco anos, sendo educados em casa por ensino à distância. Mais tarde, viveram em um ônibus de dois andares construído especialmente por algum tempo. Quando Watson tinha onze anos e ainda viviam no barco, sua mãe leu para as crianças o livro Lionheart: A Journey of the Human Spirit de Jesse Martin como uma história antes de dormir. Isso levou Watson a formar a ambição, aos 12 anos, de velejar ao redor do mundo também. Ela começou a velejar quando tinha 14 anos.

Sailor Jessica Watson Now: Her Reaction to True Spirit (EXCLUSIVE)

Ao planejar sua viagem,Jessica Watson consultou um oficial do Conselho Mundial de Recordes de Velocidade de Vela para os critérios de uma circum-navegação global: “uma embarcação deve partir e retornar ao mesmo ponto, deve cruzar todos os meridianos de longitude e deve cruzar o Equador…. A rota ortodrômica mais curta da embarcação deve ter pelo menos 21.600 milhas náuticas”.

Anunciada oficialmente em maio de 2009, a jornada deveria durar oito meses com uma distância estimada de navegação de 23.000 milhas náuticas (43.000 km). Para cumprir o plano de velejar sem parar e sem assistência, durante a viagem nenhuma outra pessoa seria autorizada a lhe dar algo e ela não poderia atracar em nenhum porto ou outro barco, embora aconselhamento por comunicação de rádio fosse permitido.

Seu plano começou a se materializar em 2009, quando, aos 16 anos, Watson embarcou em sua jornada épica a bordo do “Ella’s Pink Lady”, um veleiro S&S 34. Com sua determinação inabalável e uma equipe dedicada por trás dela, Watson partiu do porto de Sydney, navegando em direção ao desconhecido.

O percurso de Watson foi meticulosamente planejado, com paradas estratégicas em pontos-chave ao redor do globo. Sua rota incluía a passagem próxima a Nova Zelândia, Fiji, Cabo Horn, Cabo da Boa Esperança e outros pontos emblemáticos. Mas a jornada de Watson não foi apenas sobre alcançar destinos; era sobre superar desafios inimagináveis, enfrentar tempestades furiosas e manter o curso, apesar das adversidades.

Um dos momentos mais marcantes de sua viagem foi a passagem pelo temível Cabo Horn, um marco que testou não apenas suas habilidades de navegação, mas também sua resiliência física e mental. Enquanto a maioria das pessoas de sua idade estava preocupada com trivialidades adolescentes, Watson estava enfrentando ondas monstruosas e ventos ferozes, navegando corajosamente em direção ao próximo capítulo de sua jornada.

O Los Angeles Times relatou a razão de Watson para sua jornada: “Eu queria me desafiar e realizar algo de que me orgulhar. E sim, eu queria inspirar as pessoas. Eu odiava ser julgada pela minha aparência e pelas expectativas de outras pessoas sobre o que uma ‘menininha’ era capaz de fazer. Não é mais apenas meu sonho ou viagem. Cada marco aqui não é apenas minha conquista, mas uma conquista para todos que dedicaram tanto tempo e esforço para me ajudar a chegar até aqui.”

La historia real detrás de “Espíritu libre”: Jessica Watson, la persona más  joven en dar la vuelta al mundo a vela | VA DE BARCOS

A Viagem de Jessica Watson partiu do Porto de Sydney em 18 de outubro de 2009 em seu barco patrocinado pela Ella Baché de casco rosa, Ella’s Pink Lady. Dezoito dias depois, em 5 de novembro, ela passou por Tonga, navegando longe da Nova Zelândia e Fiji.

Como exigido para uma circum-navegação completa, ela cruzou o equador em 19 de novembro de 2009 (data australiana), perto da Ilha Jarvis, a cerca de 161°40’W de longitude, e contornou Kiritimati em 22 de novembro de 2009 (data australiana) após 36 dias. Então ela cruzou o equador novamente em 156°20’W de longitude e continuou rumo ao sudeste em direção ao Cabo Horn. A distância navegada de Sydney a Kiritimati foi de cerca de 3.900 milhas náuticas. No Natal, ela estava perto do Ponto Nemo, o lugar mais distante da terra.

Em 13 de janeiro de 2010 (9:40 UTC), ela passou pelo Cabo Horn, tendo navegado cerca de 9.800 milhas náuticas em 87 dias. Isso estava 11 dias à frente do cronograma planejado de 100 milhas náuticas (190 km) por dia. Pouco mais de uma semana depois, em 23 de janeiro de 2010, vários dias após passar pelas Ilhas Falkland, ela sofreu quatro capotamentos em uma tempestade severa, com ondas de 10 metros e ventos de 70 nós (130 km/h). A tempestade causou danos menores ao seu barco e seu beacon de emergência foi inadvertidamente ativado quando o mastro atingiu a água.

O ponto intermediário da viagem foi ultrapassado em 25 de janeiro de 2010, seu 100º dia no mar, a 11.500 milhas náuticas (21.300 km) com base no cálculo original da rota de navegação de 23.000 milhas náuticas (43.000 km).

Em 15 de fevereiro de 2010, Jessica Watson cruzou o Meridiano de Greenwich, passando do Hemisfério Ocidental para o Hemisfério Oriental. Isso a colocou perto do Cabo da Boa Esperança, que ela passou em 24 de fevereiro, chegando ao Cabo Agulhas (o ponto mais ao sul da África) e cruzando do Oceano Atlântico para o Oceano Índico. A partir do sul da África, Watson navegou mais de 5.000 milhas náuticas (9.300 km) em direção à Austrália Ocidental.

Elachegou à zona econômica australiana em 10 de abril de 2010, celebrando com fogos de artifício e Vegemite. Lá, seus pais e a imprensa voaram sobre ela em um avião pequeno para recebê-la. Ela passou pelo Cabo Leeuwin no sudoeste da Austrália dois dias depois, restando aproximadamente 2.500 milhas náuticas (4.600 km).

Ao sul da Austrália,Jessica Watson enfrentou muito mau tempo. Nesta parte da jornada, ela teve pelo menos três capotamentos (quando o mastro atinge a água), um deles com o mastro mergulhado no mar, mas escapou de danos graves e lesões. As ondulações que ela experimentou no Grande Bight Australiano tinham até 12 metros de altura, mais altas do que em qualquer outro momento.

Em 3 de maio, Watson contornou o Cabo Sudeste da Tasmânia e começou a se dirigir para o norte em direção a Sydney, seu destino final. Ela completou sua jornada no dia 210 de sua viagem às 13h53 do dia 15 de maio de 2010, quando chegou ao Porto de Sydney. Seu aniversário de 17 anos foi três dias depois.

Durante a jornada,Jessica Watson teve que reparar o barco e o equipamento. Vários dos reparos foram relatados no blog: o monitor da bateria (18 de dezembro), o fogão, o vaso sanitário e a vela mestra (24 de janeiro), o vaso sanitário novamente (11 de março), substituição das lâminas do gerador eólico (30 de março), a chaleira (10 de abril), a vela mestra novamente (18 de abril), substituição do gerador eólico por um sobressalente (21 de abril) e finalmente a bomba de combustível do motor (10 de maio).

Ella’s Pink Lady permanece em Queensland Nos meses seguintes à conclusão da viagem de Watson, surgiram questões sobre o que aconteceria com seu barco, Ella’s Pink Lady. Em abril de 2011, após os governos estadual e federal comprarem em conjunto o iate por US$ 300.000, foi anunciado que o Pink Lady teria uma exposição permanente no Museu Marítimo de Queensland em Brisbane.

Em seu livro “True Spirit”, Watson compartilha sua jornada de autodescoberta e os desafios que enfrentou durante sua volta ao mundo. Ela reflete sobre os momentos de triunfo e os momentos de desespero, oferecendo insights valiosos sobre o que significa perseverar diante da adversidade.

Além das críticas, Watson também recebeu apoio fervoroso de admiradores e colegas navegadores. Don McIntyre, um aventureiro experiente, foi um dos principais defensores de sua jornada, fornecendo apoio logístico e encorajamento ao longo do caminho. Outros, como o navegador Tony Mowbray e o empresário Richard Branson, também expressaram seu apoio a Watson, elogiando sua coragem e determinação.

No final, a jornada de Jessica Watson não se tratava apenas de quebrar recordes ou conquistar fama; era sobre seguir sua paixão e seguir seus sonhos, independentemente dos obstáculos que surgissem em seu caminho. Sua história inspiradora continua a ressoar com pessoas de todas as idades e origens, lembrando-nos de que, com coragem e determinação, não há limite para o que podemos conquistar.

Ao olhar para trás na incrível volta ao mundo de Jessica Watson, somos lembrados de que a verdadeira aventura reside na jornada interior de autodescoberta e crescimento pessoal. Que sua história nos inspire a buscar nossos próprios horizontes distantes, navegando corajosamente em direção ao desconhecido e abraçando os desafios que encontramos ao longo do caminho.

Você pode conferir artigos diários sobre viagens no nosso blog ! 🙂 Mochileiros pelo Mundo – Viaje mais gastando menos

Jessica Watson

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Prepare a sua viagem
Últimos Artigos
Afiliados & Parceiros
Booking.com
Artigos Relacionados
Gostou do nosso conteúdo? Leia mais artigos com dicas de viagens
ARTIGOS DIVERSOS DE VIAGENS PELO MUNDO​
Photo phuket tailândia

phuket tailândia

Phuket é uma das mais populares e belas ilhas da Tailândia, atraindo milhões de turistas todos os anos. Localizada no Mar de Andamão, no sudoeste

Photo Como ir de Portugal a Sierra Nevada?

Como ir de Portugal a Sierra Nevada?

Sierra Nevada é uma famosa estação de esqui localizada na Espanha, na região da Andaluzia. Para os amantes de esportes de inverno, é um destino

No more posts to show