Image default
Destinos Europa Itália Pisa

Porque a Torre de Pisa é inclinada?

A Torre de Pisa foi construída sobre um terreno de argila e areia, que são pouco firmes para sustentar uma estrutura daquele tamanho.

A construção da torre iniciou em 1173, e foi projetada para abrigar o sino da catedral de Pisa, no norte da Itália. Os seus três primeiros andares mal tinham acabado de serem erguidos e já notou-se uma pequena inclinação.

Para tentar compensar esta inclinação, o engenheiro responsável pelo projeto, Bonnano Pisano, tentou construir os demais cinco andares um pouco mais altos do lado em que a estrutura pendia para baixo mas o excesso de peso só fez com que a torre afundasse ainda mais.

A obra finalizou na segunda metade do século XIV e, ao longo dos tempos, foram feitas muitas tentativas de consertar a Torre de Pisa, mas nunca conseguiram.

No século XX, a torre passou a se inclinar cerca de 1,2 milímetro por ano. Em 1990, ela foi fechada ao público, pois tinha o risco de desmoronar mas foi somente em 1997 que deu-se inicio aos trabalhos para poder salvar a Torre de Pisa.

“A proposta vencedora era simples e, ao mesmo tempo, extremamente eficaz: tirar, aos poucos, terra do lado inclinado e reforçar a fundação com placas de chumbo para evitar qualquer perigo de desmoronamento enquanto o trabalho era realizado”, diz o engenheiro civil Henrique Lindenberg, da USP. Além disso, foi injetado cimento nos muros que circundam a torre.

A obra custou mais de 25 milhões de dólares e foi terminada em junho de 2001, conseguindo reduzir em 40 centímetros a inclinação da torre. A Torre de Pisa foi reaberta ao público em 15 de dezembro de 2001.

 

Related posts

Virando criança de novo em um país estranho. Os primeiros dias morando na Inglaterra

Natalia Faleiros

Como ir de trem de Varsóvia para Cracóvia?

Natalia Faleiros

Shopping Larcomar no bairro de Miraflores em Lima

Leave a Comment

This website uses cookies to improve your experience. We'll assume you're ok with this, but you can opt-out if you wish. Accept Read More