Eu penso em Inglês, falo em Inglês e sonho em Inglês – Crônicas de uma estudante em Londres

Eu penso em Inglês, falo em Inglês e sonho em Inglês – Crônicas de uma estudante em Londres

Acabei de acordar… são 10 pras 8 da manhã! Acorda menina, hoje o dia está cheio de estudo  e trabalho! Nossa… que estranho! -Onde estou??? Quem sou??? Estava sonhando… sim estava!!! Não estou entendo… minha mãe não mora aqui! Que confuso… o meu pai não fala Inglês… Estavam todos no meu sonho e, por mais incrível que pareça, não ouvi nenhuma palavra em Português!

O processo de aprendizagem de uma nova Língua fora do Brasil, é incrível! Digo isso sempre e, para muitos, isso não passa de “bullshit“! (besteira). Algumas pessoas costumam não entender (essas pessoas acham que o investimento não vale a pena e que cursos no Brasil te ensinam com o mesmo teor… vai entender), outras se fazem de desentendida…. mais tem também as que super entendem essa situação, e já viveram ou querem muito viver isso!!! Tive três momentos cruciais enquanto estava aprendendo a falar Inglês, de alguma coisa que aqui irei chamar de: “reconhecimento interior”, lá no meu intimo, naquele interior sensitivo que a gente não consegue explicar direito, de que estava realmente vivendo em Inglês e um deles foi este que acabei de descrever acima: Sonhar em Inglês! Quando a gente vive lá fora a nossa mente está tão condicionada 24 horas naquele novo modelo de vida que, de repente, o seu subconsciente responde as mudanças do seu corpo… você então, começa a sonhar em Inglês!

Eu falo, penso e sonho em Inglês – Crônicas de uma estudante em Londres
Eu falo, penso e sonho em Inglês - Crônicas de uma estudante em Londres
Eu falo, penso e sonho em Inglês – Crônicas de uma estudante em Londres

Do sonho a realidade

Já acordei, escovei os dentes e a primeira pessoa que encontro no meio do corredor do apartamento que morava em Londres foi o Steven (Inglês de seus 30 anos, casado com a Patricia, Italiana e  tinham um bebê, de mais ou menos 2 anos. Eles moravam no andar de cima da onde eu vivia).

hey Steve, “Morning”! How are you? (Oi, Steve, Bom dia! Como você vai?)

(kisses and hugs) (beijos e abraços)

– “Morning” Natalie, I´m fine “u”? (Bom dia Natália, estou bem e você?)

Fine too! Sorry but I´m late for school I need to hurry up !!! See u later Steve, Bye (Estou bem tb! Desculpa mais estou atrasada para a escola, preciso me apressar!!!! Te vejo mais tarde Steve, Tchau)

See u later Natalie (Te vejo depois Natália)

O dialógo simples que aconteceu naquela manhã, depois de acordar do meu primeiro sonho em Inglês, não seria tão natural 3 meses antes, mais naquela manhã aconteceu da maneira mais normal do mundo… É como se isso fosse o normal de acontecer e, à partir daquele dia, foi falar em Português que se tornou estranho, diferente… tenho a sensação que nesta fase do aprendizado o simples fato de você pensar em Português o torna invisível.  A cada dia vivido, sonho sonhado, uma palavra a menos em Português é pensada ou falada e a distância do mundo em que vivi 25 anos estava tomando uma proporção que nunca pensei que fosse acontecer.

Eu falo, penso e sonho em Inglês - Crônicas de uma estudante em Londres
Eu falo, penso e sonho em Inglês – Crônicas de uma estudante em Londres

Penso, falo e sonho em Inglês

É a partir deste momento, que os seus amigos do Brasil começam a ficar chato e que você começa a ficar chato para eles e para sua família também. Lá no Brasil, ninguém entende a sua euforia e ninguém imagina o que está acontecendo com você. Lá, nada mudou! Todos os dias o relógio toca às 7 horas da manhã na casa das pessoas e a primeira coisa que o marido fala para esposa, filho diz para mãe, amigo para o amigo ou a namorada para o namorado é: – Bom dia! E você?

Você já não vive mais assim… você  diz… – Morning!!!

Eu falo, penso e sonho em Inglês - Crônicas de uma estudante em Londres
Eu falo, penso e sonho em Inglês – Crônicas de uma estudante em Londres – apartamento em Golders Green, London

Atenção: Artigo registrado na Biblioteca Nacional. Não ao Plágio! Autora: Natália Faleiros

Este artigo pertence a categoria Crônicas de Mochileiros – caso queira acompanhar a história e crônicas de Natália Faleiros vá ao menu Crônicas de Mochileiros. As crônicas contam histórias de uma estudante em Londres e que mais tarde se apaixona por viajar.

Não ao Plágio
Não ao Plágio