A menina estranha e perdida no meio das pessoas em Londres – 1º mês vivendo como uma estudante de Inglês na Inglaterra

A menina estranha e perdida no meio das pessoas em Londres – 1º mês vivendo como uma estudante de Inglês na Inglaterra

Era exatamente assim que me sentia… perdida! Se for parar para pensar até os dias de hoje ainda me sinto… mais em outro grau, em outro nível, digamos assim. Naquela época, em Londres, o grau de “perdição” era em um nível bem maior, afinal tinha muitos motivos para estar perdida. Não sabia falar Inglês, não sabia onde comer comidas boas… não tinha amigos… não tinha emprego… não sabia era de nada! Tenho certeza que ganhava neste quesito de todos, e de goleada! de uns 10×0! Não fazia a linha da “desinformada” não, “tipo” eu era mesmo! Ao menos, mesmo com toda essa “perdição”, no fundo tinha um objetivo: aprender a falar Inglês!

Aprendendo a falar Inglês
Aprendendo a falar Inglês

Teorema Matemático do estado social de ser/estar perdida!

Quanto mais o tempo passava mais perdida eu ficava! O negócio era progressivo, como um daqueles teoremas matemáticos de 3 folhas. A cada dia que as novidades aumentavam, a minha “perdição” aumentava junto. Para você entender, é mais ou menos   aquele tipo de pessoa que chega na sala de aula esbaforindo, suado, descabelado e com aquele olho arregalado característico de:  putz, fiz isso de novo! Todos os alunos já estão interagindo e participando do aprendizado e você faz o devido favor de chegar atrasado. A primeira lição na aula de Inglês, foi justamente sobre a fama do Britânico de ser extremamente pontual, e você fez isso outra vez! haa não, tô desistindo de querer ser seu amigo. Para mim, você é muito estranha! O duro de chegar atrasado na Inglaterra, sem ainda conseguir falar o Inglês direito, é que nessas situações, não dá para ter um explicação bem convincente para o professor, do que teria ou supostamente teria acontecido com você. Como é que a menina estranha, perdida, que só falava Hy, Bye,  como é que vai explicar o motivo do atraso. Então o melhor a fazer é dizer: Sorry. Pronto a 4ª palavra!!!

Estudando Inglês em Londres
Estudando Inglês em Londres

Você é muito estranha mesmo

Não me diga que nunca viveu alguma coisa meio igual? E mesmo que tenha vivido ainda não vai fazer a ideia do que me refiro quando quero dizer: a perdida. Acontecia em tudo mesmo. Como pode todos os alunos saberem do trabalho que tem que entregar no final do mês… menos eu! As duplas ou grupos todos organizados e não estou sabendo nem o tema do trabalho. Como assim? O que é Oyster? Tenho direito de pagar 25% mais barato do transporte em Londres?! Ahh o Oyster é isso então! Se provar que sou estudante terei desconto no Oyster? haaaa… você tem isso a um mês!!!! Também quero o meu!!!! Mas como pode isso? Onde eu estava? Eu estava aqui, na sala de aula, do seu lado e não me viu? Cadê minha cabeça, ficou em casa? no ônibus, na cama? Não pode ser! Eu juro que estava aqui!

Metrô em Londres with Cecil, flatmate Americana
Metrô em Londres with Cecil, flatmate Americana

Você tem que ser mais atenta na sua vida, menina!

Posso estar enganada mais isso pode ser considerado Bulling, certo? Já passei por várias situações assim. Teve uma fase da minha vida que estava meio fofinha (detalhe: agora estou de novo!) e achava que esse era o problema, mas depois que fiquei bem magrela percebi que não, não era aquilo que me fazia ser a menina estranha, esquecida e desatenta. Por acaso, se for diagnosticada com aquela doença de deficit de atenção, posso considerar que além de tudo sofri bulling pela vida toda???? hahaha tudo bem! não tenho problemas nenhum em contar que tenho uma amiga (que esqueci quem é), que me chama sempre do nome daquele personagem do filme procurando nemo (também esqueci quem é o personagem), mas não esqueci de uma coisa: o personagem era esquecido  e sofria (acho?) de amnésia. Mas eu, eu não tenho amnésia!

Meu gigante bus vermelho de 2 andares!
Meu gigante bus vermelho de 2 andares!

 Atenção: Artigo registrado na Biblioteca Nacional. Não ao Plágio! Autora: Natália Faleiros

Este artigo pertence a categoria Crônicas de Mochileiros – caso queira acompanhar a história e crônicas de Natália Faleiros vá ao menu Crônicas de Mochileiros. As crônicas contam histórias de uma estudante em Londres e que mais tarde se apaixona por viajar.

Não ao Plágio
Não ao Plágio